Coletivo Andarilha

Olá,

Eu não sei você, mas andar é um movimento necessário que faço, às vezes, no automático… ao acordar pela manhã e dar corda em meus rituais de despertar. Caminho trôpega até o banheiro e encaro o meu reflexo meio torto da noite-travesseiro-sonho-ou-pesadelo no fundo do espelho. Água fria. Uma duas ou três mãos bem cheias… em concha.

Respiro fundo… Vou até a varanda espiar a cidade de prédios e rua asfaltada. Sinto falta de uma banca de jornal do outro lado da rua. Aceno ao passado. O signore Alfredo que guardava as notícias frescas e as minhas revistas favoritas. Ele passou a me chamar de bambina depois de uma visita do mio babo. Fez questão de dizer a ele que havia reparado que eu era mais do silêncio que do barulho. Preferia a leitura ao diálogo. Trocamos sorrisos e após um sonora despedida… seguimos a passos combinados-encaixados pela rua estreita. Ele do lado de fora, contando os passos. Eu por dentro, a vasculhar a superfície em busca de folhas da estação…

Caminhar é coisa antiga que repito no presente. Para apanhar um livro na prateleira. Colocar uma Missiva nos correios ou apenas para encontrar um amigo no Café — foi o que motivou esse Coletivo. Saber o passo do outro — para onde vai?

E cada Poeta participante desse Coletivo apontou um destino que eu tive o prazer de cerzir com fita de cetim…

Lançamento 27/08

via google meet – às 17h00

Poetas
Chris Ritchie
Flávia Côrtes
Luana Souza
Manoel Gonçalves (Manogon)
Mariana Gouveia
Nanda Chinaglia
Nirlei Maria Oliveira
Obdulio Nuñes Ortega
Rozana Gastaldi Cominal

Organização
Anna Clara de Vitto

Tiragem única de 30 exemplares numerados

Plural dez anos

A Revista literária artesanal Plural surgiu em 2012.. era uma idéia egoísta… dessas que surgem no vácuo das nossas emoções. Apenas uma brincadeira entre amigos, que na ocasião, escreviam-se…

Era qualquer coisa colegial, despretenciosa… uma Fanzine com meia dúzia de exemplares, um coletivo de experimentações que se transformou — com o passar dos anos — em celeiro de idéias para os projetos artesanais da Scenarium.

Tudo era possivel-permitido naquelas páginas… papel rasgado-amassado-dobrado-queimado-colado… E a idéia-proposta se renovou e se reinventou… se construíu e descontruíu.

E para celebrar os 10 anos da nossa Revista… nada melhor que uma edição comemorativa e você que escreve, é nosso convidado para fazer parte dessa festa, intitulada:

Plural Cartografia das Sombras